Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2008

Abril... (parte 2)

Na continuação do texto anterior, deixo aqui uma segunda parte desta peça, falando sobre os "famosos" interrogatórios que a PIDE fazia...

(Narradores trazem uma cadeira e colocam-na no centro do palco)

- Ser ou não ser, já escrevia Shakespeare.
- Eis a questão?
- Qual?
- A questão fundamental do nosso viver.
- Da nossa maneira de estar perante a vida...
- ... e perante a sociedade tão castradora ontem...
- ... tal como ainda hoje.
- Usar o amarelo...
- ... assim como o Laranja ou o vermelho...
- ... sem que nos apontem um dedo acusatório.
-Ter direito a vida própria, fazer opções, orientações...
- ... sem que para andar na rua...
- ... tenhamos que olhar para um lado...
- ... e para o outro, com medo que a escuridão dos enfatiados...
- ... nos venha absorver todas as nossas forças e vontades.

(Sentado no público está a personagem António, surgem dois homens vestidos de gabardinas escuras e chapéus, focos de luz apontam para as personagens)

Pide 1 – Ó amigo, você chama-se António Alves, não …

Abril...

Neste mês que é o de Abril, festeja-se a liberdade... de expressão, festeja-se todas as liberdades.
Por isso deixo aqui um excerto de um texto que faz parte de uma peça para ser feita em Abril.

"(No palco está um cenário a preto com um cravo vermelho pintado, luz negra entre cada cena, narradores vestidos de pretos, eventualmente com um apontamento de vermelho, umas luvas por exemplo)

- Hoje, vamos festejar Abril...
- ... hoje vamos festejar a vida, a tua, a minha...
- ... a nossa, a vossa liberdade de poder afirmar eu sou...
- ... eu e estou de bem com a vida.
- Não há cá vai - se andando, aqui, só se vai estar sempre bem.
- Porque é bom poder dizê-lo aos sete ventos...
- ... gritar para quem quiser ouvir...
- ... adoro viver!
- Sem repreensões, sem dúvidas que exista alguém na sombra de cada esquina, que coloque em dúvida quem somos e o que fazemos.
- Esta, é a nossa missão esta noite, ainda que por vezes impossível...
- É sempre bom poder sonhar com um mundo melhor...
- É sempre bom poder s…

Coita d' Amor - Grupo de Teatro Contrasenso

O Grupo de Teatro Contrasenso já estreou mais uma peça, desta vez é uma reposição da peça "Coita d' Amor" , uma "comédia inspirada no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende.
Donzilia, uma sofredora dama medieval, vê o seu amado partir para a guerra.

Só e desgostosa, depara-se com uma série de cavalheiros que disputam o seu amor. Apaixona-se por todos, mas a sua mãe parece não gostar muito da ideia.


Contudo, o pior está para vir, quando o seu amado voltar da guerra."


A peça estreou com casa cheia a 5 de Abril e ós seus próximos espectáculos dia 11 e 12 de Abril pelas 21.30 no Auditório Fernando Pessa, no Espaço Municipal da Flamenga em Lisboa.
Mais informações in http://grupodeteatrocontra-senso.blogspot.com/

Consciências Teatrais...

Este é o primeiro pos't do blog "Consciências Teatrais", como já devem ter percebido, este blog era o antigo cantinho, do Grupo Tetro G.B. 22 Maio da Idanha, aqui vai continuar a espreitar o que fizemos, mas daqui para a frente, este blog deixa de pertençer a um Grupo de Teatro e passa a pertencer à comunidade teatral, principalmente à amadora.
Junte-se a nós nesta aventura!

Cumprimentos teatrais...