Avançar para o conteúdo principal

Quem somos

Este Grupo foi fundado em 29 de Setembro de 1929 com o nome de Grupo Cénico 22 de Maio por Armando dos Santos, as duas primeiras peças encenadas foram o drama “Na oficina” e a comédia “Os criançolas”.
Entre os anos de 1937 a 1944 as peças que obtiveram maior sucesso foi o drama em três actos representado em Agosto de 1937, “Rosa do Adro”, com a encenação de Armando Santos, as peças “ Castigo Merecido” e “Lucrécia Bórgia”, exibidas em Abril e Maio de 1939 tendo como encenador Alberto Carvalhal , o drama em três actos, o “Bombeiro Voluntário” e a comédia” Efeitos do Foot-Ball”, levadas a cena no mês de Dezembro do ano de 1944 por António Nascimento.
No ano de 1946, Armando Santos encena e é cabeça de cartaz da peça “ Cenas da Vida”.
O drama “ Duas causas”foi apresentado entre Maio e Junho de 1948, “O crime e a punição”, drama de três actos foi levada a cena entre Maio e Junho de 1952, tendo como encenador também Armando Santos.
“Rosa do Adro” volta a ser exibida nos meses de Janeiro, Abril e Maio de 1956.
Dois anos depois a peça é apresentada a peça “ Casar para morrer” e a comédia “Quem vê caras não vê corações”.
No ano de 1964, com a encenação de Zeferino Ferreira é levado a cena o drama em três actos “ Folhas soltas” e a comédia “Uma paragem de Malucos”.
No ano de 1973, Armando Santos leva a cena 4 peças, “ Nocturno de Chopin”, “As Andorinhas”, “Coroa de Rosas” e “Rosas todo o ano”.
Em 1979, este encenador consegue obter um grande êxito com a peça em três actos “ Gatunos de Luva Branca”
Devido á sua idade, corria o ano de 1980 quando Armando Santos encena as suas duas últimas peças, “Mar” de Miguel Torga apresentada entre Maio e Julho e ainda um extraordinário acto de variedades no mês de Setembro.
João Rodrigues, um “pupilo” de Armando Santos, inicia então a sua actividade no Grupo levando para palco peças como “ O Ser Sepulcro” e “Guernica”.
No ano de 1992, é levado a cena a peça de António Aleixo “ O Curandeiro” no mês de Outubro, e ainda as Revistas “ Ai que Grupinho” e “Café Valentim”. Nesse mesmo ano mas no mês de Dezembro é apresentado a comédia “O Criado do Tavares” e a Revista “São Só Cornélias”.
No ano seguinte é apresentado a Revista “ A Valentina”.
Em 1994, pela primeira vez é apresentada uma peça no 6º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, a comédia em dois actos “ Coisas do Sebastião”.
“Uma Casa de Doídos” foi a Comédia apresentada no ano de 1996, também participando no 7º Festival de Teatro Amador de Sintra.
“Ao Atiçar do Lume” de Joaquim Murale foi o drama de intervenção Social que o Grupo apresentou no ano de 1997, peça esta que foi apresentada várias vezes na colectividade e também em outros locais assim como no 8º Festival de Teatro Amador de Sintra, sempre com muito agrado.
No ano de 1998, o Grupo apresenta a Revista á Portuguesa “ Curva e Contra-Curva”, apresentada também no 9º Festival de Teatro Amador de Sintra, conseguindo nesse ano obter o Prémio Revelação para a jovem actriz Mara Vicente.
Em 1999, voltam a apresentar no 10º Festival de Teatro Amador de Sintra e várias vezes na colectividade a Revista á Portuguesa “ Afinal… não me Amava “
Após alguns anos parados o Grupo reinicia as suas actividades no inicio do ano de 2006 com apenas 5 membros e com imensas dificuldades voltaram a pôr de pé o Grupo e apresentaram no dia 24 de Abril, pelas comemorações do 32º aniversário do 25 de Abril, o espectáculo de variedades “Sons de Abril”, onde o Grupo de Teatro participou com uma pequena cena de Teatro, excerto da peça “As cores de Abril” e também com canções alusivas à época.

Em Dezebro de 2006 apresenta a comédia musical "Memórias de hoje, Memórias de sempre", numa alusão aos filmes portugueses.

Comentários

Anónimo disse…
Olá

Será que me ppodem ajudar a obter o texto "Gatunos de luva branca" ? Queria encenar cá na aldeia de Nagoselo do Douro...

muitos cumprimentos
Mário Alma
Anónimo disse…
Podem contactar-me por este email:
senhorsilva@gmail.com

obrigado

mário alma

Mensagens populares deste blogue

Peça de Natal "Os Espíritos de Natal"

Faltando menos de três meses para o Natal, começa a procura de textos, versos, canções para a quadra natalícia. Num outro blog que tenho http://bluestrassbychristmas.blogspot.pt, tenho lá um texto escrito por mim. Ao fazer a pesquisa no Google por "Peça de Teatro de Natal" congratulo-me de dizer que a minha página é a segunda mais procurada. Logo achei por bem, colocar aqui também a dita peça, uma vez que este cantinho trata de partilha de opiniões, de textos teatrais.
Este ano não é excepção, a dita peça vai estar disponível em ambos os blogs, sem que qualquer grupo ou particular tenha que pagar direitos de autor. Esta é a minha única peça colocada na íntegra na Internet.
Podem usá-la, apenas agradecia um email para sandra.cabacos@gmail.com ou deixando um comentário aqui, com indicações de que a vão fazer... não é pedir muito, pois não?? Também não vale a pena virem comentar que a história não é original, que as canções não são minhas, a minha única resposta será que escrev…

João Rodrigues - The Interview

Por fim, mas não menos importante que os anteriores entrevistados, está o Sr. João Rodrigues, o meu primeiro encenador. Sim, este senhor foi o responsável pela minha ida para o Teatro, os primeiros passos foram dados sobre a sua mão. Com ele aprendi o saber estar em palco, aprendi a dar valor ao Teatro.
Numa outra ocasião também já falei do que fez, podem sempre espreitar aqui:http://conscienciasteatrais.blogspot.pt/2007/05/quem-somos.html


O Sr. João que esteve afastado destas lides uns tempos, voltou de novo em grande forma aos trabalhos teatrais, sendo novamente encenador do Grupo de Teatro do Grupo Bandolinistas 22 de Maio da Idanha, estando já a ensaiar uma peça, com estreia para breve.
Quanto à entrevista, aqui fica:




Consciências Teatrais - O que significa o Teatro para si?
João Rodrigues - O Teatro! É um enorme contributo para a valorização cultural e social do desenvolvimento da pessoa humana, quer na escrita ou na representação, dando por isso, um sentido verdadeiro à vida.

C. T.- …

"Eu cá nunca fiz Teatro!"

Image in http://flyingshoesstudio.blogspot.pt/

"Eu cá nunca fiz Teatro! Não tenho jeito para isso."

Isto é o que dizem muitas pessoas, não tendo noção na realidade, o quanto somos actores durante toda a nossa vida. Toda a vida nós passamos por momentos em que de uma maneira ou de outra nós somos actores e actrizes mesmo inconscientemente. Sempre que falamos, sorrimos, acenamos, beijamos alguém pela qual nós não nutrimos uma simpatia profunda, estamos a ser actores...

Definição de actor: "Sujeito que interpreta determinado papel ou guião, representando, ou incorporando certa personagem (...) Pessoa dissimulada ou fíngida."in/http://www.lexico.pt

Um actor que estuda, se prepara para apresentar um peça de Teatro, defronta-se com mais ou menos dificuldades em criar a figura que lhe foi confiada. 
Como criar por exemplo uma personagem de um esquizofrénico? Pesquisa-se, tenta-se falar com alguém que o seja (se bem que …